19 de março - Dia de São José

São José, Tomai sob vossa proteção a causa importante que vos confiamos, para que tenha uma solução favorável.

PAPA FRANCISCO

Igreja Católica.

JESUS, Caminho, Verdade e Vida!

Convertei-vos e crede no Evangelho. Mc. 1,15

Nossa Senhora Aparecida

Padroeira do Brasil!

FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2015

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Inscrições para o Enem começam nesta segunda-feira

A partir das 10h de hoje, interessados em prestar a prova do Enem podem se inscrever pela internet; inscrições vão até 5 de junho
Da Redação, com Agência Brasil
Começam, nesta segunda-feira, 25, a partir das 10h (horário de Brasília), as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os interessados devem acessar a página do Exame e realizar a inscrição, que vai até 5 de junho.
A taxa de inscrição, neste ano, custa R$ 63 e deve ser paga até o dia 10 de junho. Será isento da taxa o estudante que vai concluir o ensino médio neste ano em escolas públicas ou que declarar carência.
Pode pedir a isenção por carência a pessoa cuja renda familiar é igual ou menor que um salário mínimo e meio e que cursou o ensino médio completo na rede pública ou como bolsista integral em escola particular. Em ambos os casos, as informações devem ser comprovadas e aprovadas pelo MEC.
Para as inscrições, será necessário ter um e-mail próprio para se inscrever; o sistema não aceitará mais de uma inscrição com o mesmo e-mail.
Neste ano, a expectativa do Ministério da Educação (MEC) é que mais de 9 milhões de pessoas se inscrevam para o exame, que será aplicado nos dias 24 e 25 de outubro em várias cidades do país.
Não há idade-limite para participar do Enem. A ressalva é que aqueles que não vão concluir o ensino médio neste ano podem fazer as provas apenas como “treineiro”, ou seja, o exame não poderá ser usado para dar acesso ao ensino superior.

Fonte: http://noticias.cancaonova.com/inscricoes-para-o-enem-comecam-nesta-segunda-feira-2/

Precisamos ser hospedeiros do Espírito Santo


Precisamos_ser_hospedeiros_do_Espirito_Santo
Padre Roger Luís. Foto: Arquivo Canção Nova

Nós precisamos ser hospedeiros do Espírito Santo que vai fazendo com que o pecado perca a força em nós
Irmãos e irmãs, chegou o dia de Pentecostes! Durante o tempo pascal meditamos, por meio da Liturgia da Palavra, sobre a ação do Espírito Santo na Igreja pelo relato dos Atos dos Apóstolos. Foi um retiro de cinquenta dias para chegarmos a este tempo da Igreja.
A missão da Igreja começa em Pentecostes. Deus escolheu o Pentecostes dos judeus, que era a festa das primícias, quando eles levavam os primeiros dons para oferecer ao Senhor. Foi nesse dia que Deus fez acontecer o Pentecostes com todos os sinais, marcando o início da missão do povo de Israel, a raça eleita do Senhor, que foi chamada a anunciá-Lo até os confins da Terra.
O Espírito é como um vírus bom que entrou em nossas veias e por Ele temos a grande graça de ir experimentando o processo de transformação. Ele vai nos impregnando dessa vida nova de Cristo, dos sentimentos de Cristo.
Em Gálatas 2,20 lemos “Eu vivo, mas já não sou eu; é Cristo que vive em mim”. Tamanha foi a acolhida e permissão da obra do Espírito na vida de Paulo. O Espírito Santo vai atacando a imunidade que fazia com que o homem velho continuasse agindo com força em nossa vida. Ele vai nos auto-imunizando para enfrentarmos as tentações.
Nós precisamos ser hospedeiros do Espírito Santo, que faz com que o pecado vá perdendo força em nós e vamos nos parecendo com Cristo. Ele vai santificando nossas ações. No sacramento do Crisma recebemos a força do Cristo que atua em nossa vida, na Eucaristia recebemos o Espírito que, por amor, doa e consagra a vida. Só precisamos ser dóceis à ação do Espírito.
Desde o dia do seu Batismo, o Espírito Santo mora em você. Desde quando você foi batizado Ele é o hóspede da sua alma. O pecado impede o Espírito Santo de agir e assim não produzimos os frutos, pela falta de abertura, de empenho, de docilidade. Precisamos reconhecer nossas fraquezas!
Quantos de nós vivíamos uma vida perdida como filhos pródigos e voltamos, nos abrimos e o Espírito Santo tem a liberdade para agir em nós. Ele só nos transforma quando Ele é convidado a transformar. Por isso, não podemos continuar no pecado, precisamos recorrer ao sacramento da penitência com frequência. Deus está realizando na vida daqueles que querem. Ele sabe que somos fracos, miseráveis e quis nos dar a força para permanecermos no Seu Espírito.
Destaco três pontos importantes. Primeiro, o Pentecostes como resultado da obediência. O capítulo 1, versículo 4 dos Atos dos Apóstolos nos diz “E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de seu Pai, que ouvistes, disse ele, da minha boca;”. Precisamos ser um povo obediente à doutrina moral, um povo que rende a sua inteligência e seu coração a Deus e na humildade se abre a obedecer.
No versículo 12, lemos “Voltaram eles então para Jerusalém do monte chamado das Oliveiras, que fica perto de Jerusalém, distante uma jornada de sábado.” Se você quer ser um homem, uma mulher, cheio do Espírito Santo, obedeça.
Segundo ponto, eles foram perseverantes. Não sabemos esperar e o diabo, muitas vezes, usa o avanço tecnológico para nos dominar. Tudo é muito rápido e essa rapidez tecnológica está nos impossibilitando de avançar na perseverança. Nós viramos um povo imediatista. “Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus, e os irmãos dele.” (Atos 1, 14).
Quem quer o derramamento do Espírito precisa perseverar, pagar o preço da oração. Quanto tempo perdemos nas coisas erradas! Mas com Deus a gente ganha! Pela obediência e pela perseverança a promessa foi cumprida, “sereis batizados com o Espírito Santo.” Deus quer dar a você o Espírito Santo sem medidas.
O terceiro ponto é receber o poder espiritual. Poder espiritual para expulsar os demônios, curar as doenças, para transformar o mundo. Nós podemos mudar o Brasil com o poder do Espírito Santo. Não são os políticos que vão mudar o país, mas o povo de Deus. A transformação da nação tem a ver com o povo de Deus consciente. Se formos o que devemos ser nós incendiaremos o mundo, o Brasil e a Igreja.
A transformação do Brasil vai vir de um povo que tem os joelhos no chão, um povo que chora por aqueles que estão na miséria e que sofrem com a violência. A transformação virá de um povo que sai da indiferença, do egoísmo.
A mudança do mundo passa pela sua mudança, sua decisão, oração e jejum. O Espírito Santo quer renovar a todos, quer renovar a face da Terra. Eu recebo o Espírito Santo para o bem comum, o dom de línguas é o único dom para o benefício pessoal, todos os outros são ferramentas de serviço, de evangelização. O Espírito Santo provoca a cultura do encontro.
A graça de Deus se multiplica sobre aqueles que sabem partilhar, que saem do egoísmo. O que Deus nos deu é para ser colocado em comum. Muitos de nós estamos entristecendo o Espírito com o nosso egoísmo. Eu entristeço o Espírito Santo quando o meu ministério é para o meu benefício próprio. Ele é o santificador que veio para nos arrancar do egoísmo.
Uma das grandes graças que o Pentecostes trouxe é a paixão pelas almas. Tudo que eu faço tem que ser para a salvação das almas e não para mim mesmo. Sejamos apaixonados pelas almas! Nós recebemos o poder do Espírito Santo para transformar a vida das pessoas. Saia desse Pentecostes como um pescador de homens, tenha compaixão do outro. Pentecostes é mudança de mentalidade.
Transcrição e adaptação: Míriam Bernardes

Fonte: http://eventos.cancaonova.com/acampamento-de-pentecostes/pregacoes/precisamos-ser-hospedeiros-do-espirito-santo/

Católicos da Paróquia de São José (Una/BA) participam da missa de Pentecostes, importante celebração da Igreja Católica



A Paróquia de São José (Una/BA) celebrou neste ultimo domingo (24.05) a Missa de Pentecostes. A Celebração Eucarística foi presidida pelo Padre Gilvan Oliveira.

Pentecostes simboliza o 50° dia depois da Páscoa. É a solenidade da vinda do Espírito Santo. Junto com Natal e Páscoa, forma o tripé mais importante do Ano Litúrgico. O vermelho domina essa solenidade, associado ao fogo, símbolo do amor - Espírito Santo é chamado de  "Espírito do amor. Antes de ser uma festa dos cristãos, Pentecostes foi festa dos judeus e antes de se chamar assim, tinha outros nomes, e era uma festa agrícola. Em Êxodo 23,14-17 é chamada de festa da Colheita, a festa dos primeiros feixes de trigo colhidos. Em Êxodo 34,22 é chamada de festa das Semanas. Por que "festa das semanas"? A explicação é dada pelo Levítico (23,15-21): calculavam-se 7 semanas a partir do inicio da colheita do trigo. 7 semanas = 49 dias.
















Paróquia de São José (Una/BA) realiza vigília de Pentecostes



Seguindo o exemplo dos apóstolos reunidos no cenáculo no dia de pentecostes, a Paróquia de São José (Una/BA) realizou no dia 23 de maio na Igreja Matriz, a vigília de Pentecostes, clamando que o Espírito Santo venha sobre toda a Igreja.
Louvor, pregações, adoração ao Santíssimo, apresentação de jogral, tudo isso fez parte da vigília. Todas as pastorais, grupos e movimentos, se fizeram presentes para adorar e louvar o nosso Deus, das 18h às 0:00.
No primeiro Pentecostes depois da Morte de Jesus, cinquenta dias depois da Páscoa, o Espírito Santo desceu sobre a comunidade cristã de Jerusalém na forma de línguas de fogo; todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas (cf. At 2,1-4). As primícias da colheita aconteceram naquele dia, pois foram muitos os que se converteram e foram recolhidos para o Reino de Deus.
“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir.” (Mt 25, 13).






























terça-feira, 19 de maio de 2015

Solenidade da Ascensão do Senhor - 17.05

Depois de quarenta dias após a solenidade da Páscoa, temos a graça de celebrar a Solenidade da Ascensão do Senhor. A Igreja convida-nos a ter os olhos postos no Céu, a Pátria definitiva a que o Senhor nos chama.

 A Solenidade da Ascensão de Jesus que celebrada no último domingo (17.05) sugere que, no final do caminho percorrido no amor e na doação, está a vida definitiva, a comunhão com Deus. Sugere também que Jesus nos deixou o testemunho e que somos nós, seus seguidores, que devemos continuar a realizar o projeto libertador de Deus para os homens e para o mundo.
No Evangelho, Jesus ressuscitado aparece aos discípulos, ajuda-os a vencer a desilusão e o comodismo e envia-os em missão, como testemunhas do projeto de salvação de Deus. De junto do Pai, Jesus continuará a acompanhar os discípulos e, através deles, a oferecer aos homens a vida nova e definitiva.
Na primeira leitura, repete-se a mensagem essencial desta festa: Jesus, depois de ter apresentado ao mundo o projeto do Pai, entrou na vida definitiva da comunhão com Deus - a mesma vida que espera todos os que percorrem o mesmo "caminho" que Jesus percorreu. Quanto aos discípulos: eles não podem ficar a olhar para o céu, numa passividade alienante; mas têm de ir para o meio dos homens continuar o projeto de Jesus.
A segunda leitura convida os discípulos a terem consciência da esperança a que foram chamados (a vida plena de comunhão com Deus). Devem caminhar ao encontro dessa "esperança" de mãos dadas com os irmãos - membros do mesmo "corpo" - e em comunhão com Cristo, a "cabeça" desse "corpo". Cristo reside no seu "corpo" que é a Igreja; e é nela que se torna hoje presente no meio dos homens.